Rock Life Style

Mais do mesmo, só que agora com boné trucker, cinto de caveirinha e sem tanta sombra, embora rímel seja sexy (mentira! ainda tem sombra)

sábado, dezembro 31, 2005

 

retrospectiva instantânea

Mais um ano que acaba e outro novinho ai pra nós podermos reclamar depois... 2005 já vai tarde e eu como todo mundo nessa época vou fazer um retrospectiva... claro que em se tratando de mim eu não vou lembrar de quase nada, de onde se conclui que não eram coisas tão importantes assim... as que merecem serem lembradas estão bem aqui:

JANEIRO
A bomba é solta, toda a tensão pré-anúncio e todo o caos gerado por ele, "eu vou me mudar para São Paulo esse ano", foi a frase do mês e até as pedras choraram entre tristeza e dúvidas o apoio foi total

FEVEREIRO
Aqui outra bomba é solta a dor da quase perda e a posterior alegria da reconquista se faz presente entre momentos horriveis as lembranças boas e as cenas de filmes se fazem presente

MARÇO
err... não lembro... talvez ajustes finais no porto seguro, inseguranças e meia-verdades escondidas aparecem...

ABRIL
Meu aniversário (isso basta)

MAIO, JUNHO, JULHO
entre crises existenciais & outros bichos a vontade de ir embora só se acentua

AGOSTO, SETEMBRO
férias do emprego & sexo (hum... foi um bom mês :D)

OUTUBRO
Mês de despedidas e de acontecimentos bizarros, entre groupies que caíram de para-quedas e mulheres problemáticas embarco para são paulo, strokes, arcade fire, kings of leon dão o tom do mês

NOVEMBRO
Sheep na cidade grande, passeando por curitiba para no fim só achar a si próprio a paz vem acompanhada de um show do boom boom kid, iggy pop, NIN, Cachorro Grande, Sonic Youth 13 horas de rock eu deixei pra citar o FLAMING LIPS por último porque: FLAMING LIPS É DEUS! Saudades doem

DEZEMBRO
Dance of Days, Cólera e muito cinema, problemas financeiros na última semana se resolvendo nas últimas horas


Como se percebe 2005 foi uma montanha-russa de emoções entre tristezas colossais e voos corajoso 2005 já deu o que tinha que dar... que venha 2006

(sim, retrospectiva miojo é o que liga)


Ouvindo: Stray Cat - Cross of Love

segunda-feira, dezembro 26, 2005

 

conto natalino

Então é natal, e mais uma vez o fatídico encontra com a família, fazer o que né faz parte do que se convencionou chamar de casamento, mas dessa vez ele não vai sozinho vai levar um amigo que conhece a muito tempo é uma excelente desculpa para se afastar de todo esse clima natalino e familiar, aquela família não é sua e ele espera que continue assim.

. . .


A verdade é que o casamento vai mal, e ele sempre se pergunta se um dia ele já foi bem, mas a verdade é que ao olhar as fotos ele não deixa de pensar em como ele era mais feliz... ou pelo menos como ele conseguia fingir melhor e simplesmente não consegue disfarçar o sorriso amarelo de uma piada que a muito já perdeu a graça.
Era mais ou menos 4 horas de viagem até o interior, onde a bendita família da esposa morava, foram 4 horas de pequenas picuinhas que no fundo era agressões sem motivos, discussões infudadas e sem início aparente e toda a sorte de pequenas desavenças, mas, como muito bem se sabe na engenharia, uma pequena rachadura pode ser o indício da queda de um prédio.

. . .


4 horas e várias agressões depois chegavam na casa da família, interior e seus interioranos com sotaques carregados e manias esquisitas e estava tudo exatamente do mesmo jeito, o tio semi-louco e extremamente irritante mas que no fundo "é do bem", a mãe que que quer fazer tudo e se acha algum tipo de polvo multi-tentaculo e o pai que simplesmente tem um relógio cronológico mais lento, tudo insuportavelmente chato e demodê, pelo menos o amigo estava ali e seria um excelente alibi para não socializar e com sorte não conversar com ninguém.

. . .


No fundo se pergunta porque se casou e isso é algo que sempre martela em sua cabeça talvez o sexo fácil e os grandes seios tenham obscurecido o pensamento na hora do sim, talvez os carinhos sempre a disposição fossem um ponto a favor embora que para isso fosse necessário suportar a extrema chatisse dela, era tantas suposições e todas, sem muito chances de serem reais no fim, a questão é que agora é casado, e como casado, tem obrigações básicas que incluem, passar o natal na casa da família da esposa, "ossos do ofício" pensa...
Claro que esse é um fardo que se carega elegantemente então toda essa não-vontade é escondida em desculpes pseudo-politizadas como "natal é uma natal comercial" ou em desculpas baseada em ódio irracional (e portanto tão idiotas quanto) do tipo "eu odeio natal" (nota do blogueiro: eu odeio o papai noel, porque ele nunca trouxe o meu notebook! o maldito fez eu ter que gastar o meu dinheiro pra comprar um que é velho ainda por cima), tudo para enfeitar o fardo tão pesado com lacinhos vermelhos, claro que depois de algum tempo nesse tipo de prisão ele passou a perder o esmero em contar uma boa mentira e isso é prontamente percebido por toda a família que sempre lança comentários aleatórios do tipo: "eu não entendo essa coisa de nunca se sentar na mesa com a gente"

. . .


Todo esse desconforto como já dito se converteu em uma total apatia as coisas do casamento, o que inclui a própria esposa, nessas situações um simples gesto de carinho se torna algo esquecido, não no sentido de deixar de fazer por vontade própria, algo como "não vou encostar nela porque não gosto dela" mas é uma ignoração da existência dela, algo como ele estar sentado lendo o jornal e ela deitada em um outro sofá com a garganta inflamada e ele simplesmente continuar lendo o jornal.
Não que ele seja uma criatura nojenta que merece apedrejamento, enxergar as coisas dessa forma é aceitar apenas o preto e o branco e ignorar o cinza, muito provavelmente é um tipo de acomodação crônica onde ja se acostumou a uma vida de pequenos confrontos.

. . .


"É apenas um fim de semana" pensa, segunda já estará trabalhando de novo e saindo para beber com os amigos em alguma happy hour da vida, afinal, carros grandes sempre chamam a atenção da mulherada e sempre tem alguma propensa a aceitar um passeio em um, e quem sabe, o fazer lembrar aquele gostinho bom chamado liberdade e, se tiver muita sorte, daquele outro chamado viver...

Archives

Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Maio 2005   Junho 2005   Agosto 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Abril 2006   Maio 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?